(51)3224-8400
Dólar: R$3,88 | Taxa Selic: 6,50% | Salário Mínimo: R$954,00
img-responsive

Dólar opera em queda, mas juros futuros têm novo dia de alta

Dólar opera em queda, mas juros futuros têm novo dia de alta

O movimento do dólar no exterior dita o ritmo dos negócios na abertura do mercado de câmbio brasileiro, com mais queda da moeda americana. Ao redor de 10h30, o dólar comercial recuava 0,22%, a R$ 3,8329, enquanto o dólar para janeiro de 2019 perdia 0,29%, a R$ 3,8330.

Assim, o real fica em linha com mais uma série de moedas emergentes – a moeda americana cedia ante o rand sul-africano, o peso mexicano, o peso chileno e o rublo russo.

Embora o dólar opere em queda ante as principais moedas globais, o clima é de cautela no exterior depois do otimismo visto um dia antes com a trégua dada na disputa entre Estados Unidos e China e na véspera o feriado decretado pelo governo americano em homenagem a George H.W. Bush, que manterá os mercados dos EUA fechados na quarta-feira.

Além disso, atuações do Banco Central (BC) nesse mercado também chamam atenção dos investidores. Ontem, o BC anunciou novo leilão de linha, venda de dólares com compromisso de compra futura, no valor de até US$ 1 bilhão. A autoridade monetária fará também oferta de 13.830 contratos de swap cambial em operação de rolagem do lote que vence no começo de janeiro.

Já os contratos de juros futuros continuam descolados do câmbio e operam em leve alta na abertura. Os DIs vêm de dias de melhora com os investidores reduzindo prêmio de olho na perspectiva tranquila para a inflação, e agora aproveitam para realizar lucro. O DI janeiro/2021 operava a 7,95%, ante 7,93% no ajuste anterior, e o DI janeiro/2025 marcava 9,66%, ante 9,58% no ajuste anterior.

No ambiente brasileiro, os investidores continuam acompanhando de perto o noticiário sobre a cessão onerosa, que está na pauta do Senado hoje. Ainda há dúvidas sobre como será feita a divisão dos recursos do pré-sal com Estados e municípios e se seria necessária uma emenda no projeto, o que o faria voltar para nova deliberação na Câmara.

 

Fonte: Valor Econômico.