(51)3224-8400
Dólar: R$4,166 | Taxa Selic: 5,50% | Salário Mínimo: R$998,00
img-responsive

Dólar à vista passa a cair em meio a alívio com EUA-China e Ptax no radar

Dólar à vista passa a cair em meio a alívio com EUA-China e Ptax no radar

O dólar no mercado à vista começou esta sexta-feira (27), com viés de alta, cotado a R$ 4,1647 (+0,06%), respondendo à demanda maior neste fim de mês, que coincide com fechamento do terceiro trimestre, quando ocorrem pagamentos de dívidas no exterior por empresas nacionais e remessas de lucros por companhias estrangeiras instaladas no Brasil.

Às 10h10min, o dólar à vista caía 0,20%, aos R$ 4,1531. O dólar futuro de outubro recuava 0,32%, aos R$ 4,1565.

Alguns agentes de câmbio também avaliam que a ligeira alta nos primeiros negócios pode ter sido ainda uma reação pontual discreta à derrota da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), na quinta-feira (26). Contudo, a moeda spot já perdeu força e exibe baixa, em linha com o mercado futuro.

O contrato de dólar futuro para outubro recua desde cedo, acompanhando a queda predominante da moeda americana ante divisas emergentes ligadas a commodities em meio ao otimismo com a previsão de retomada das conversas comerciais entre EUA e china em 10 de outubro.

Nesse contexto, pela quarta sessão seguida, a cotação do dólar spot segue levemente acima do valor do dólar outubro, mais negociado até hoje e que será liquidado em 1 de outubro com base na taxa Ptax da próxima segunda-feira (30). Por isso, a taxa do cupom cambial do dólar casado continua negativa, refletindo a demanda maior à vista. Às 9h15min, o cupom do dólar casado estava negativo em 0,20 ponto, com o dólar à vista cotado a R$ 4,1617 e o dólar outubro em R$ 4,1610.

O diretor superintendente da Correparti, Jefferson Rugik, atribui esse ligeira distorção de preço à demanda à vista mais firme pela proximidade do fim de mês e de trimestre em meio à falta de liquidez que é própria de final de período, quando várias empresas efetuam os pagamentos de suas dividas ao exterior.

Rugik acredita que a disputa em torno da Ptax deve ficar mais forte à tarde, depois da definição da Ptax de hoje, que será anunciada depois das 13h. O executivo acrescenta que o leilão da rodovia BR-364/365 (GO/MG), a primeira a ser licitada sob o governo Jair Bolsonaro, na B3 nesta sexta, deve ficar no radar. A sessão de abertura das propostas pelo ativo tem início às 10h.

“Esse processo de venda pode mexer com o fluxo cambial e o dólar, mas não hoje”, diz Rugik. “É um processo mais para longo prazo daquele que ganhar a concessão”, avalia.

Três grupos entregaram propostas para assumir o projeto federal, que engloba 437 quilômetros de estradas entre Jataí (GO) e Uberlândia (MG) e integra um importante corredor para o escoamento da produção agroindustrial da região. A expectativa é de investimentos de R$ 4,57 bilhões ao longo dos 30 anos de concessão, considerando Capex (R$ 2,06 bilhões) e custos operacionais (R$ 2,51 bilhões em conservação, operação e monitoramento).

Os agentes de câmbio atribuem a ligeira alta nos primeiros negócios a uma reação pontual discreta à derrota da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), na quinta. Foram monitorados ainda, mas sem impacto direto nas cotações, a taxa de desemprego de 11,8% no trimestre até agosto.

Fonte: G1 Economia.